Brasil
AEC - Somos uma associação de empreendedores empretecos

Cadastro AEC

 

Marketing e Vendas

 

Marketing social: modinha ou cultura?

 

As mudanças no comportamento do consumidor possibilitaram as organizações mudarem seus hábitos e costumes para atenderem o consumidor. Responsabilizar-se socialmente deixou de ser tarefa do terceiro setor para ser da iniciativa privada. Pensar socialmente tornou-se uma questão estratégica, tanto para o produto, quanto para o cliente


Marketing social é sinônimo de Organizações do Terceiro Setor? Sim. Porém, as empresas privadas podem fazer ações de marketing social na intenção de gerar lucro e valor nas suas relações com os stakeholders. As ações podem ser diversas, entre elas podem ser: cultural, saúde, educacional etc. A lista é extensa!

É sabido que existem pesquisas na área de marketing e gestão pública identificando o surgimento das instituições sociais para suprirem problemas em que o Estado não era competente em assumi-los. Mazelas estas que estão voltadas a: saúde, educação, segurança, fome etc.

Com o passar das décadas encontramos a chamada responsabilidade social das empresas do século XXI. Mais a frente, encontramos na literatura a filosofia do marketing 3.0 em que os consumidores se relacionam com as empresas que fazem do mundo um melhor lugar de se viver. Empresas estas que estão preocupadas com a escassez dos recursos, e precisam realizar ações sustentáveis para preservar o meio ambiente em que estão inseridas, e ao mesmo tempo, geram valor aos seus consumidores. Numa análise crítica é assertivo identificarmos que essa filosofia de Kotler está baseada apenas para grandes empresas (SAs, multinacionais etc). Porém, onde ficam as pequenas e médias empresas? Estas tem capacidade de praticarem o marketing 3.0? Estas tem capacidade de realizarem ações de cunho social? A resposta é sim! Claro, que elas podem! Porém, porque não o fazem? A resposta é simples. As ações sociais não fazem parte do core business (negócio central), ou não são matérias exclusivas da empresa. Mas, isso é claro! Porém, não são justificativas para não o fazê-lo! Outros, até defendem a ideia de que para haver ações de cunho social é de suma importância para a empresa ter uma alta capacidade de gestão. Porém, essa alta capacidade de gestão a quem os críticos se referem são exclusivos a grandes empresas. Exemplos: Dudalina e Instituto Adelina, Cacau Show e Instituto Cacau Show etc.

Logicamente, a empresa que não precisa torna-se uma Sociedade Anônima para desenvolver tais ações sociais. É passível encontrarmos que nestas grandes empresas existe planejamento estratégico, programas e políticas de sustentabilidade que são apresentadas no final do ano no Relatório de Sustentabilidade, estas empresas em sua maioria são dirigidas por Governança Corporativa. Os relatórios, os balanços patrimoniais, as ações de sustentabilidade, quantidade de colaboradores e mais uma infinidade de informações relevantes são mencionadas neste documento, pois, esta empresa presta satisfações a sua cadeia de stakeholders.

Por outro lado, encontramos empresas que está há anos no mercado, entretanto, não realizaram nenhuma ação de marketing social. Como citado anteriormente, tais empresas não precisa ter uma “alta capacidade de gestão” para executarem ações sociais. Além, de beneficiarem os seus stakeholders a empresa ganha valores intangíveis a sua marca. O auxílio de cestas básicas a comunidades carentes, a hospitais, oferecimento de cursos profissionalizantes a comunidade entre outros possibilita a uma boa imagem institucional a empresa. Sem demagogia e utopia, as ações sociais possibilitam a empresa mais pontos positivos do que negativos. É fato! As ações de marketing social são estratégicas e busca a geração de lucro a curto e médio prazo. Desta forma, as ações sociais deixam de ser modinha e comportam-se como “cultura” das organizações privadas. A iniciativa colaborativa possibilita o relacionamento entre: colaboradores, comunidade e fornecedores na busca de uma imagem empresarial sólida.

Em suma, as organizações do futuro serão aquelas que pensam no produto, no cliente e no meio ambiente.

Pense nisso!

Fonte: Administradores

 

Voltar Home

 

 

Agenda de Eventos

Palavra do Presidente

João Carlos Semedo Mendes
Ações e objetivos

Diversas parcerias comerciais estão sendo firmadas. A ampliação de nossa interação com associações de empretecos em todo o país será uma constante.

 

Copyrights AEC - Todos os direitos reservados